A Turma OK

Turma OK é o primeiro grupo LGBTQIAP+ de que se tem registro na história do Brasil. O coletivo Turma OK foi fundado oficialmente em 1962 na cidade do Rio de Janeiro, entrando em funcionamento sob a liderança de Agildo Bezerra Guimarães. No entanto, o grupo iniciou seus encontros (semanais ou bisemanais) já no ano anterior, precisamente em 13 de janeiro de 1961, no apartamento de Antônio Peres, no Edifício Varsóvia.

O nome do grupo, Turma OK, foi sugerido por Nylmar Amazonas Coelho após já haverem se congregado os seus fundadores—Antônio Peres, Maria Amélia, Nyhlmar Amazonas Coelho, Itamar Dias Soares, Lisandro de Matos Peixoto, Marlene Filardi, Leo Acyr Teixeira, Renê Patino, Djalma Alves de Souza e Francisco de Assis, e os cantores Osny José e Carlos Chagas—e a aprovação foi unânime.

O grupo Turma OK continua com as suas atividades até a atualidade, sendo uma das organizações de socialização LGBTQIAP+ mais antigas do Brasil e, mesmo, de todo o mundo. Adalberto Fonseca Filho voltou a assumir a direção desta histórica organização (reservada somente para membros e convidados) em 2006, sendo que Anuar Farah foi o diretor anterior, de 1998 a 2006.

Desde o início a organização Turma OK publicou o informativo Okeizinho.

Bezerra trabalhou como editor de várias publicações do Movimento Homossexual Brasileiro em sua cidade natal ao longo dos anos, permitindo-o a formar uma coleção rara de boletins e similares com temática gay, por exemplo, Snob (1963-1969, Darling (1968), Gente Gay (1976-1978), entre outros, como a Mini Enciclopédia Homossexual segundo Claudio Soares…

O arquivo Turma OK sendo preservado na UNICAMP foi doado à universidade por Agildo Bezerra Guimarães em 1995.